sexta-feira, 3 de maio de 2013

VOO PARA A FANTASIA

Voo para a fantasia

Eu às vezes sou tão ingênuo
só para me ver puro, pueril e amante.
Não dá para eu, a concepção
de Spartacus, em viver sempre armado
de espada em punho,
temeroso de o teu amor, me engolir.

O medo não me faz parte assim,
deixo-me ir para os teus braços,
como se fosse teu banho deslizando em tua pele.
O temor, meu amor,
me cola e me isola sem teu colo,
que gosto tanto de estar por horas.

Tu me fazes ser este menino, cujo mimo,
goteja de teus seios e de teus dedos
enrolando meus cabelos.
E quando eu brinco de ser o que sabes que não sou,
fingindo uma artimanha artística de ser,
te deleitas tão menina, e gozas inteira... Comigo!

ZéReys – poeta do profundo.

Um comentário:

  1. E quem não ama ser menina ao ler sua poesia?! :)

    ResponderExcluir

A fé de uma pessoa está relacionada com aquilo que ela mais precisa, pois em caso contrário, ela não precisaria de nada.

ZéReys.