segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O MUNDO VAI ACABAR?

O mundo vai acabar?

O mundo não, até por que o mundo, não é a terra, como intrinsecamente parece imaginar os seres humanos, principalmente os menos esclarecidos sobre a questão “fim do mundo”.
 A pergunta talvez fosse “A Terra poderá sofrer danificações a que viesse exterminar parte de sua população?” ai então a resposta poderá ser “Sim”.

Existem milhares de descasos por nossa parte a respeito do planeta terra, do céu, do mar, das estrelas e até em relação a outros planetas, esses descasos casados com o calendário Maia, seus estudos e previsões, suas sabedorias mais as suas crenças espiritualistas, confrontados pelos verossímeis dados de suas previsões anteriores, extremamente corretas, poderíamos afirmar: sim, a terra poderá sofrer centenas ou milhares de anomalias que irá fatalmente acarretar danificações sérias, para a humanidade presente e para a população do futuro.

No meu modo de entender os estudos que fiz; os Maias não fizeram adivinhações, nem profecias, fizeram estudos científicos matemáticos e astrológicos, altamente competentes, sérios, confiáveis e incríveis, por que em seus tempos não tinham nenhuma tecnologia que hoje dispomos, e ainda assim, pelo longo dos tempos, seus estudos demonstraram certezas absolutas em suas previsões, baseadas primeiramente em Deus, sim, mas cruzados com seus estudos permanentes e persistentes.

Portanto, os ignorantes engraçadinhos deviam tomar os Maias como exemplo e ir estudar, para não ficarem com chacotas tolas. Até porque a grandíssima parte da população diz acreditar em Deus e na ciência.

Estudei sobre estas questões, e venho acompanhando desde Maio de 2012, principalmente pelas previsões Maias, o comportamento do sol, quando nesta ocasião, uma forte chuva solar atingiu a terra com micros-partículas solares, altamente energizadas de grande potência.  
 Viajando a dois mil quilômetros por hora, estas partículas, chocaram contra a camada protetora da terra, fortemente. Este acontecimento foi considerado pelos cientistas, como algo muito importante e de grande significado. (Havia muitos anos que nada parecido tinha sido registrado, até então.)
  
Entretanto, de lá para cá as atividades solares, estão regulares, ou seja, dentro dos padrões da normalidade, - sendo monitorado pela NASA, contudo, se o leitor fizer uma análise sobre todos os aspectos negativos promovidos pelos terráqueos, como poluição, diminuição das calotas polares e ouras questão relevantes, como os lixos e as chuvas ácidas etc., não terá como descartar fenômenos de anomalias agora ou em muito breve, como consequência de nossa própria degradação deste meio e sistema em que vivemos.
Por incrível que pareça, estas questões, estão também, nos pensamentos deixados pelos Maias e foram previstas por eles.

E aí, o mundo vai acabar em final de dezembro? Não, reafirmo: o mundo não vai acabar, por que a terra não é o mundo, mas apenas um pedacinho dentro dele, quanto a terra... Bem, qual é o tamanho de sua fé, o que tem feito para salvar a sua casa, terra, o que tem ensinado aos seus filhos com sua prática, em relação aos cuidados com ela, com a natureza e seus seres, e, com a prática de amor ao próximo, o que tem praticado?

Pelo sim ou não se Deus disser sim, será sim, se disser não, será não, permita-me, entretanto, por favor, reiterar a pergunta, agora de outra forma, que tipo de fé e a quem tem dedicado sua fé? Talvez este momento presente, seja um momento de você parar de ser severo com os outros e ser consigo mesmo! O materialismo exacerbado justifica a sua prática... O mundo vai acabar?

E, então, em uma hipótese de catástrofe próximo de sua moradia, você está preparado espiritualmente, fisicamente, mentalmente para ajudar alguém a se salvar? Que tal pensar nisso, antes de se preocupar com o fim do mundo?! 

- O egoísmo pode lhe dar a sensação de felicidade em um primeiro momento, mas você poderá ter que pagá-lo pela vida inteira, depois... Não tenha dúvidas!
O trabalho O MUNDO VAI ACABAR? de ZéReys - poeta do profundo foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em zedosreys@gmail.com.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

BRINQUEDO: UMA HOMENAGEM AO PAPAI NOEL

Um conto verídico de natal
(Brinquedo: uma homenagem ao papai Noel)


Eram muitas pessoas caminhando, eram tantas, que eu me perdia no meio delas. Eu andava sozinho pelas ruas da cidade reparando vitrines. Lembro-me que isso acontecia desde a primeira semana do natal. Como apareciam pessoas diferentes vinda das fazendas, dos sítios, e das cidades menores...

Minha cidade ficava repleta de pessoas caminhando pelas ruas. Tinha pessoas bisaras e garotas bonitas e estranhas, homens com cara de cansaço e jovens rapazes com peles grossas e queimadas pela o sol das lavouras que plantavam, mas, agora era natal, tempo de esquecer tudo e atentar-se para as coisas de consumo, renovação de bens, roupas e calçados, brinquedos e meio de locomoção, como bicicletas, carroças, motociclos, automóveis.

Havia uma avenida comprida e em declínio que terminava do lado esquerdo da praça e outra que começava do lado direito da praça, continuando a descida - isso para quem olhasse no sentido do declínio. Havia lojas de ambos os lados das avenidas. Eu começava a espiá-las desde lá de cima e descia atravessando de um lado para o outro, a rua, para que eu pudesse ver tudo, em todas as lojas, mesmo sem poder comprar nada.

Naquelas que vendiam ferragens e utensílios domésticos, eu as pulavam, meu interesse eram focado em coisas de meninos. Mas no meio do caminho havia uma loja nova, recém inaugurada, vendia livros, deparei com aquelas capas imponentes e – me lembro – ali fiquei horas reparando cada detalhe de cada capa de cada um deles, mas como minhas mãos eram mãos sujas, o dono veio e me pediu para deixar de emporcalhar os vidros que me separava dos volumes expostos.

O homem, um senhor alto de bigodes, bem vestido e cheirando a alguma loção para pós-barba, tinha em suas mãos uma flanela amarela. Eu o olhei, virando meu pescoço para cima, devido sua altura em relação ao meu pequeno porte, e estiquei minha mão a ele, ele me olhou e me perguntou o que eu queria.
- Me deixe limpar para o senhor! Ele me passou a flanela e ficou a me observar. Eu queria ficar mais ali vendo aqueles livros...

Com uma das mãos eu esfregava o vidro retirando minhas marcas de dedos e com a outra, eu tornava a sujar, era inconsciente, mas assim o serviço nunca acabava e eu podia continuar a observar aqueles livros lindos. Não sei o que imaginava encontrar dentro deles, mas somente pelo mistério que eu colocava atrás de suas capas-portas, eu já queria desvendá-los.

O homem me olhava.
 – Você não vai terminar nunca essa limpeza! Disse finalmente – Ande, me dê essa flanela aqui. – me disse. Eu a ofereci e ele a pegou, e fiquei ali olhando, ora para ele outra para os exemplares lá do outro lado, rapidamente ele terminou e me pegou pelo pulso esquerdo e disse – Venha comigo! Fiquei com medo, e quis me esquivar, estacando, mas ele foi gentil, não me forçou, e apenas repetiu – Venha, vou te mostrar uma coisa. Então eu o segui receoso.

Entrou pela loja e tomou um pequeno corredor que deu para um banheiro.
Já no local ele disse: – Tome, peque este sabonete e lave bem suas mãos e essas unhas. Depois enxugue aqui – mostrou a tolha. Eu obedeci sem questionar. Enquanto isso, ela abriu uma porta lateral e lá se escondeu por um tempo. Pensei em fugir dali, mas ele reapareceu ao meu primeiro passo.

– Lavou? Perguntou-me, mostrando um pedaço de bolo em uma de suas mãos - Tome. Coma isso, está gostoso! Eu o tomei meio que ferozmente e comecei a comer rapidamente, então ele me disse: - Hei rapaz, devagar, devagar! E virando-se apanhou uma xícara de café com leite e me deu - acho que foi a primeira vez que tomei um café com leite.

Detestei o café com leite que me dera, fazendo uma cara amarga, mas continuei a tomar até o fim, para ajudar a empurrar os pedaços de bolo que me entupia a garganta, devido minha gula da fome. Quando terminei, ele me conduziu até a porta e não sei de onde apareceu em sua mão, um pequeno livro dos três porquinhos. – Leve para você ler, é um presente de natal. –Sai feliz, sem agradecê-lo... Até hoje, me arrependo disso!

Caminhei em meu passeio de perambulado avenida abaixo. Atravessava a rua para lá e para cá, olhando as vitrines, agora alimentado e de mãos limpas, e ainda eu tinha um livro dos três porquinhos. Desci e cheguei à praça da matriz, atravessei a rua pela frente da sorveteria pinguim. Senti um cheiro de sorvete entrar em meu nariz, e com o dedo indicador, esfreguei-o como se quisesse tirar o cheiro insistente de dentro dele, depois, passando entre alguns carros de praça, estacionados no ponto de táxi  ganhei a praça e segui em frente.

Aquela praça era tão bem cuidada que nem a chamávamos de praça, mas de jardim, dizíamos:
- Vamos ao jardim hoje? E, íamos aos Sábados e Domingos passear entre aquela multidão que saia da missa. As ordens dos pais eram:
 – Primeiro vá à missa, depois poderá dar umas voltas na praça! E assim os jovens faziam.
Segui pelo meio da praça ou jardim, e o perfume de rosas vermelhas exalava-se misturando com azaleias e margaridas, com seus canteiros contornando o chafariz, que espirrava água limpa e fresquinha para o alto.

Caminhei até chegar bem próximo daquela beleza e fiz uma concha com as mãos e lavei meu rosto com a água daquela fonte luminosa. Só depois segui rumo às lojas cheias de presentes - para aqueles que podiam comprá-los. Entretanto, não me lembro de ter sentido enganado e ou se talvez tivesse pensado que o mundo era das crianças abastadas. As crianças, às vezes soltas, às vezes presas pelas mãos dos pais, se alvoroçavam, saltitando alegres olhando as cores e luzes e tantas coisas novas e bonitas.
Não sei a razão, mas eu sempre achei que as crianças não querem saber de preços, apenas querem brincar e ser felizes!

O que eu sentia não era inveja delas, mas a falta de não ser como elas, de não ter os meus pais ali por perto, me conduzindo e me dando segurança, e me mostrando todas aquelas possibilidades. (É claro também, que essa ideia, hoje narrada, estava intrínseca em mim.) Os presentes saindo em caixas e pacotes coloridos traziam para elas, um tipo de felicidades que nunca eu experimentara em toda a minha vida, ou pensara em experimentar.

Assim, entres estes transeuntes felizes estava eu metido ao meio deles sendo empurrado, ignorado, às vezes temido, odiado, menosprezado.
Eu sei unicamente que ali eu estava e mesmo sem saber por que estava, eu permanecia, sei com certeza, no entanto, que eu não tinha feito essa escolha e que nem outra qualquer eu poderia fazer. Eu estava ali e isso era tudo.

Desci mais um pouco a avenida até chegar numa velha praça - que ficara abandonada depois da inauguração da praça da matriz -, e como por ali só havia alguns senhores de idade a conversar, dei meia volta e tomei a avenida acima, caminhando agora, pela calçada contrária a que eu havia descido. O dia tinha passado quase que totalmente e eu nem me lembrava que tudo que eu havia comido durante todo o dia fora o tal do pedaço de bolo dado pelo senhor alto da loja de livros.

As luzes da rua, agora acesas, somadas as das lojas, que estavam fechando, formavam um colorido festivos e já se podiam ver crianças brincando com seus patinetes, bolas, carrinhos, bonecas e outros objetos. Nos alpendres e jardins das casas dos abastados da cidade, enquanto avós e pais as observavam, as crianças que podiam ser felizes; nas suas correrias e tombos e gritos e risos e lágrimas, acompanhavam, os acudires e os olhos atentos dos seus. Eu continuava na minha solidão sem os meus.


De frente, quase na soleira da porta da loja, que ainda atendiam os retardatários, eu espiava como se velasse os brinquedos do outro lado do vidro. Tudo ali era um encanto, um enorme papai Noel – talvez de pelúcia, estava ali estático com suas vestimentas e caracterizações artificiais. Às crianças os via e ficavam encantadas sonhando com toda aquela fantasia mercantilista apregoado por fabricantes de varias coisas.

De repente senti um cheiro ruim se aproximando de mim, o homem, com aquela roupa ensebada, como se tivesse rolado numa carniça, se aproximava, ele tinha as costas meio curvas, quase como se fosse corcunda ou era mesmo corcunda, seus cabelos emaranhados e sujos, todos desgrenhados se misturavam a sua barba horrível e fétida.

– Sai! Disse-me ele, empurrando meu corpo franzino com um dos seus braços, cuja pele manchada de algo parecido com musgos, era meio coberta por uma camisa com a manga rasgada e também imunda.

Adentrou a loja como um furacão, dizendo palavras desconexas, e por isso, as senhoras o temia e escondiam as crianças atrás de si, temendo que ele pudesse lhes fazer algum mal. Todos tapavam as suas narinas, por causa do mau cheiro do homem. Quando este chegou ao balcão começou a falar alto e legível, como se tivesse recobrado os sentido:
- Eu sou o verdadeiro papai Noel! Sou o verdadeiro papai Noel! Ele, senhoras e senhores, sou eu, o verdadeiro! E ria, sem parar.

Então no meio daquela cena estranha as crianças encolhiam-se sem entender nada. Os pais protegiam suas esposas e estas as crianças. O dono da loja, então, caminhou dando volta por entre uns apetrechos e rumou para se pôr de frente ao homem, que teimava em dizer: “Eu sou o verdadeiro papai Noel, eu sou!” Então o dono da loja começou a esbravejá-lo e tocá-lo para fora.

- Vamos seu bêbado, saia de minha loja, vamos... Saia! E começou a empurrá-lo, forçando ele a se virar, para que ficasse de frente para a saída, e quando ele assim se pôs: ele me olhou fixamente – eu senti medo dele – mas a minha curiosidade era maior para ver o que aconteceria com o pobre homem, em certo momento, no entanto, ele se estanca empacando como se fosse uma mula, depois olhou para um lado e para outro, apanhou um carrinho de plástico com uma de suas mãos, e como se aquilo fosse um troféu ele erguia o objeto pondo a frente de seu corpo, de modo que o dono da loja, embora tentasse, não conseguia tomar dele, o brinquedo.

Ele caminhava - tentando se desvencilhar do dono da loja, que pelo carrinho em sua mão, deixou de ser empurrado para ser segurado -, seguia em direção a porta. O dono da loja, por motivo do corredor até a saída estar estreito, devido à quantidade de coisas desorganizadas e expostas em ambos os lados, não conseguia tomar-lhe a frente para recuperar o objeto em sua mão, assim sendo, ele agora caminhava arrastando o dono da loja para fora, quando antes, ele é quem estava sendo empurrado.

Eu continuava ali atento, e via que o homem rompia, com dificuldades, os espaços, mas logo chegaria bem próximo de mim, e então, quando o homem fétido estava bem junto a meu corpo, e seu cheiro horrível quis me dar ânsia de vômitos, ele esticou o braço e me disse:
- Pega, menino, é seu, eu sou o verdadeiro papai Noel! Então eu olhei em seus olhos úmidos e pensei tê-los reconhecido, numa busca rápida da memória. Lembrei-me daqueles seus olhos claros, que certamente eu já teria visto em algum lugar. Mas não conseguia saber de onde era que eu o conhecia, pareceu-me ter dado um branco na minha memória naquele instante, porém, o homem ao me entregar o brinquedo, fez com que sua mão me tocasse levemente a minha e percebi um enorme calor que emanava da sua.


- Puxa! Exclamei, já sei, é daquela pintura lá da igreja, ele tem os mesmos olhos!

Mas em meio a essa estase que eu experimentava ele correu por entre os carros ali na rua estacionados e sumiu. O dono da loja me olhou por um instante e eu me voltei para ele, esticando minha mão com o presente para devolvê-lo, ainda sem fechar minha boca que estava seca e buscava alguma umidade no ar ainda cheirando mal pela passagem do meu papai Noel.

O dono da loja segurou o brinquedo, mas, antes que ele o tivesse totalmente de volta, um senhor gritou lá de dentro:
- Deixe, não pegue de volta, eu lhe pago o preço do brinquedo!

Hoje, por acaso, me lembrei desta história e quis contá-lo a vocês, e acredite, desde esse dia até os meus dias de hoje, eu não me lembro de um melhor presente que eu tenha ganhado! Por isso, depois de certo tempo, eu encontrei um cãozinho abandonado, era ainda um filhote, eu o olhei e ele me olhou, tinha uma cara de fome que doía, fixei meu olhar para ele e disse: - Quer ser meu amigo, olhos claros? Ele abanou o rabinho positivamente, e eu lhe dei então, o nome de Brinquedo!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A MANGA DA GRATIDÃO

A manga da gratidão
(Uma pequena crônica)

Veja uma mangueira bem alta, restam algumas mangas bem lá no alto. São daquelas mangas que você adora. Que se lambuza, em um voo lúdico, pueril, como se você estivesse pousada sobre uma pipa de papel de cores de folhas de mangas. Você voa, quer apanhar as mangas com suas próprias mãos, mas agora que já é adulta, percebe o ridículo de sua imaginação, olha por um lado e depois para o outro e suspira aliviada:

- Que bom, não há ninguém me olhando ou escutando meus pensamentos! Até dá um risinho para si mesma.

Mas você está muito desejosa daquela preciosidade, tem certeza: esta fruta vai lhe trazer um momento sublime, ah! Que delícia era subir na mangueira – e se lembra! Então você atira uma pedra com todo a sua força, mas a pedra não chega, a fruta está muito alta para ser atingida por sua força motora, no entanto, acaba por derrubar algumas frutas que estão abaixo, elas estão até feridas por outras pedras, que antes, alguém lhes jogou.

Você reflete: “O nível destas mangas que sempre algumas pedras as acertam são mais baixo, são acessíveis às forças motoras de níveis fracos.”

Se você se colocasse ao nível dessas mangas de baixo, por talvez estar recebendo algumas pedradas na vida, perceberia que somente estão sendo acertadas, pela razão de seu nível espiritual estar concernente às forças motoras daqueles que lhes estão perturbando.

E então, que tal sair deste nível de levar pedradas a todo tempo, venha, você pode, você consegue, é só uma questão de abrir seu coração e dizer: Sim, meu Deus, permite-me sentir gratidão por tudo! E poderá com isso, ser puxada por uma força benigna, para outro nível, aonde às forças das forças motoras às pedras, jamais farão que cheguem!

"Só não somos perfeitos, por que ignoramos a perfectibilidade da obra de Deus... Não é difícil vê-Lo e senti-Lo: Ele está em toda parte, até Lhe sorri, quando você atentamente olha para uma flor!"

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

ANTES-NASCER


Antes-nascer

Foi assim de repente, ela tomou de mão do tempo em um espaço pequeno, menor que semente de feno, uma gota que se perdia da chuva, e me chamou para que eu visse o que estava acontecendo.
Ela me fez perceber, como se usasse uma lupa de mil vezes zoom, que dentro desta bolha diminuta, algo brilhante estava nascendo.

A impressão que tenho, até hoje, é que estávamos em outro plano, nós flutuávamos, não tínhamos peso, era algo comparado com um capuchinho de nuvem branca. Ali pude ver que havia um par de olhos buscando a luz que entremeava às nuvens, vindo do sol.
Fiquei deveras emocionado, como se eu próprio renascesse.

Não era um projeto desenhado no papel do céu ou da terra, mas era um prospecto imaginado e materializado antes da concepção.
Precisaria ainda de uma fecundação, para que, como se alguém retirasse de minha costela aquela vida pedindo vida, pedindo um sopro de existência para o seu coração e seu antes-nascer, viver!

E então, quando deparei com aquela beleza, que pareciam cristais de lágrimas que vertiam de meus olhos, a brisa cheirava alfazema e outras gotas de chuva bailavam entre as gotículas que refletiam luzes, para alumiarem aquele lar, que não tinham paredes, por que as paredes cerceariam a liberdade dos anjos em nos ver...

E eu quis que algum Mozart nos trouxesse alguma canção.
Que algum virtuosíssimo aparecesse com um violino de gelo, transparente, por que o som devia ser luz transpassada do instrumento, e nos tocassem as almas e as iluminassem, como se fosse uma cidade resplandecendo essência de vida, para aquela vida!

E assim, como houvera ela apanhado com as pontas dos dedos aquela gota de chuva perdida, eu a tomei, oferecendo minha mão espalmada, onde ela colocou a sua, tão suavemente, que minha alma saltou de alegria inexplicavelmente... Beijamo-nos e nos amamos - houve revoadas de anjos em festa-, para que a concepção final de nosso sonho criança, procriasse! 

O trabalho ANTES-NSCER de ZéReys - poeta do profundo. foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível emhttp://www.blogger.com/blogger.g?blogID=6264024607861638641#allposts.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença emhttp://www.facebook.com/zedosreys?ref=tn_tnmn.

http://www.facebook.com/zedosreys?ref=tn_tnmn

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Bendito fruto

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

DANÇA DE NÓS





Dança de nós


Há gotas de ternura em meus dedos para lhe tocar os lábios,
como se fossem gotas de orvalho escorrendo em folhas de bromélias. 
Nada há que se assemelha, embora sem cor,
a este amor. Ele me toca e escorre pelos dedos...

Eu ando me embriagando todos os dias por este pólen da poesia.
E o dia em que eu não bebo, sinto-me ressequido, até os meus ouvidos, perde o som dos ventos, tu e a poesia sois misturas, alimentos, um do outro, e ambos de mim, a todo o momento.

Há em minhas mãos, em cada uma, uma teia de seda vinda da natureza de Deus, que irradia luzes. Quero enternecer-te nas manhãs de teus dias e ser tão suave, amor, como aquela orquídea de valor imensurável que dança na brisa, rindo das patas da abelha.

Dance comigo, flor, neste balé de flores ao vento, quando em nosso abraço misturar nosso amor. Entre-me... Adentro-te...
No sexo das flores há a poesia dos polens, como se fossem suores.
Vivo amor, embriagado neste tempo, por este advento!

O trabalho DANÇA DE NÓS de Zé/reys - poeta do profundo. foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.

domingo, 18 de novembro de 2012

O QUE VOCÊ FARIA

O que você faria

A maquina de água gelada na entrada do templo marca uma nova era, nesta espera pela velha profecia – os fins dos tempos. Oferecendo água filtrada e fria aos visitantes;
Como se a tese do fim do mundo fosse algo para antes.

Não há mais nas entradas, uma mina cristalina, saindo golfadas borbulhantes. Mas há até, uma réstia de sol atravessando os vidros da porta de correr, sobre o seu bebedouro, como se de lá, a qualquer momento, fosse nascer um arco íris em ouro.

Numa tardes dessas qualquer, também lá fui eu matar minha sede
- a do fogo e da água - não vi com isso um arco íris nascer, mas pude ver que crescia de um dos furos do ralo, por onde a água se esvai para a rede fluvial, uma plantinha quase microscópica...

Fitei-a, por alguns minutos por diversos ângulos.
Era tão jovial, parecia uma criança normal,
Destas, que sem se importar quais seriam seus pais,
segue com altivez, confiança e perseverança a crescer na vida.

Por fim fitei-a mais uma vez e pensei: não posso arriscar sua existência, deixando-a que morra prensada entre dois dedos de algum gigante desatento com a vida... E assim, atinei a perguntar para outras pessoas: 
- O que você faria?...

ZéReys - poeta do profundo.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

TRENÓ DE SONHOS

Trenó de sonhos

A saudade é um trenó que me faz viajar no tempo. Das Henas, a vontade é a número um, a dois é o desejo, as demais, são a superação, numa engrenagem de força, cavalos de força para a tração.

A canção é como se ondas flutuassem sobre céus inimagináveis, a me levar... Sinto meus cabelos 
soltos ao vento morno dos céus. Ghost bate palmas alegres, 
E espectrais balançam as folhas dos roseirais.

Não é uma noite ou um dia: é um mistério, uma magia,
Um sismo sem fumaça ou cheiro ou lavas.
Há cores indecifráveis e flores exóticas maravilhosas  
Em canteiros suspensos, sobre nuvens azuis.

Sons de flautas se misturam aos sons do órgão, como se algodão
de açúcar misturasse a gergelim e lambuzasse meus lábios. 
Há uma excitação que faz a alma misturar-se ao meu sangue 
e o coração se tornar bailarino.

Anjos perfilados são árvores pelo caminho de ondas e cores.
Nada impede o deslizar de minha alma. Há uma doçura
que transborda sobre a maciez do trenó, massageando minhas pernas, delícia extasiante, plumas de uma brisa refrescante.

Agora vejo um lindo sol no horizonte, vislumbro teu encontro e o 
cheiro de teus lábios me beija, deixo de ser deus 
e me torno homem, que ama. Tenho sede, beberia uma cerveja,
E agora, vou desalinhar os teus cabelos, contra o travesseiro!

Não sei, entretanto, de tuas vestes ou nudez.
O Belo será tua visão sem sensatez, beijar-te-ei,
Como o sol beijando a lua, todo o teu corpo, e com todo
O meu calor, ainda que sem dizer: amor... Cheguei!

 O trabalho TRENÓ DE SONHOS de ZéReys - poeta do profundo foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em zedosreys@gmail.com.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

RUMAR

Rumar

Embora o que mais ame no amar,
seja o seu poder de nos resignar,
eu me perco no mistério da hora seguinte
e por conseguinte, por que há tantos empecilhos
às nossas vontades, mesmo quando elas
não só a nós dizem respeito.
Já que o amor é tão recíproco!

É para mim, uma luta constante
entre a força e a resistência –
- creio que uma seja a própria
e a outra a alheia.
A alheia por ser intocável
nem precisa se defender.
Damos socos no nada.

A própria vive de nossas próprias limitações.
Sinto teu coração repleto de amor,
e de necessidades de mim.
Vejo-me assim também da mesma forma,
cada um de um lado do oceano
a remar em pensamentos
nossos barcos a velas e sem ventos.

Tenho medo de que de remar, nos cansemos,
temo encontrar-te morta no meio deste mar imenso
já inerte e sem forças... Quanto a mim,
eu também não sei... Há momentos em que o sol
queima tanto, que até me esqueço da esperança.
Mas, amar-te é tão bom, e por isso:
Rumar, remar ao amar é preciso, preciso...

ZéReys - poeta do profundo.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

SEM DEFESAS

Sem defesas

Minha saudade é tão traiçoeira...
Preenche todos os espaços entre as nossas palavras.
Ocupa cada fresta de nosso abraço.
Tira de meu estomago, a fome.
Estica os segundos e os abraçam às horas.
... Torna o meu dia interminável!

Cega-me os olhos, para que eu não veja o sol se por.
E a noite, vira escuridão, para esconder meu sono.
No meu sentido, é um pandeiro, a sambar fremente.
Em minhas mãos, as linhas, viram traços de teu corpo.
Em tua imagem ela pinta-te multicores;
Assim, os meus reflexos são tuas silhuetas em quaisquer tons.

Não há direções em que eu não te lembre.
Não há visão em que ela não te coloque...
É tão traiçoeira esta minha saudade...
Nem me dá tempo de esquecê-la, e só para eu viver
dela e à tua mercê:  Sou só saudade,
me viro saudade...Quase sou elas!

ZéReys - poeta do profundo.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

NO DELEITE DO PÓS

No deleite do pós

Quando tu choras comigo,
ambos infestados de amor,
naqueles momentos sublimes
em que nossas almas se encontram.
Sabemos de fato o que é felicidades!

Por que não há em nós
uma mecânica quântica,
uma soma ou divisão de sentimentos
premeditados, não há, um mecanismo
puramente humano emanado.

Quando choramos, espontâneos,
lágrimas de risos, traduzindo nossas estases,
materializando deleites em gargalhadas
molhadas, e meus dedos em teu umbigo brincam
como lábios em bordas de cálices... Sou embebedado!

É um “pós” diáfano, que juraríamos eternidade,
mas, não é humano, e por isso não se atem
às nossas vontades, haveremos de esperar
um novo dia, que será único...
E repleto de verdades.

Misturam-se as dores do gozo -
 - as minhas e as tuas -, numa lânguida
e enternecida perda de chão, sem praças ou ruas,
camas, cobertores, tetos, imensidão!
 ... Um parto de ternuras e sabores que se arranca dos ventres...

ZéReys - poeta do profundo.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

















Eu hoje

Quero:
depois
de o dia
passar,
ser apenas
o teu homem
noite adentro.
Seu clique
de luar
para se clarear,
quando a tua luz
se acender
no teto,
perto
de meu peito,
peito adentro,
teu unguento
para te curar.
Quero ser
teu homem
para te deixar levar,
e me levar...
Deixar lavar
as nossas almas...
Nas águas do suor
De nosso amar.
Hoje, quero:
Depois de o dia passar,
noite adentro,
ser o teu rebento,
ser teu homem
sem chorar...
Hoje eu quero!

ZéReys – poeta do profundo

sábado, 20 de outubro de 2012

SER OASIS

Ser Oásis

Oro-te ó mulher que amo:
Teus cálices de mãos,
Dedos e vinhos, cores do álamo,
leves painas... Algodão.

Como respirar-se pétalas
abraçado às brisas,
nuvens alvas no clarão.
Afagar a ternura da paz ao chão...

Fechar os olhos, sentir o som,
afagar a cor da alma...
ter a inevitável visão.
... Se perder na imensidão.

Deitar-se na candura
explicitada do deleite,
ao calor do azeite e
desejos em profusão.

Deixar e sentir o amor escorrer,
por teus seios e umbigo, comigo.
Ouvir ouvidos e sentidos,
seguir meandros e boca e risos...

Doce dor, adorar a dor... Enternecer.
Amar o prazer da doçura,
a mistura, o lamber da uva,
o cheiro da vulva... O amor!

E depois ver vir dos céus,
a essência divina dos céus...
A diluição dos éteres... Mel.
Hálito de Deus, nas bocas!

Ó mulher que amo,
quero-te tanto amar assim.
Dê-me tuas mãos em conchas
Teus dedos em caules... Por mim.

Dê-me ó mulher, por ti,
por nós, o sim... Retire teu véu;
e por nosso céu, teu amor...
Pelo amor de Deus...

ZéReys - poeta do profundo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

NÃO HÁ MAIS TEMPO

Não há mais tempo

O quanto existe além do palpável é imensidão.
A dor, a saudade, a onipresença, o próprio amor,
nossa vontade, a nossa alma, a fé, a crença na esperança;
que também é invisível – o místico do coração.

Palavras são impalpáveis, assim como os sons, assim como
O sentir e o vento e a emoção; o que nos faltam: não vemos;
Nem o que almejamos nem o sono ou o sonho,
E mesmo o que somos - de fato - não somos.

O que somos e vivemos então, se não, a soma dos improváveis,
O divisor dos impossíveis, o multiplicador dos invisíveis,
A junção do nada, a materialidade do milagre, a prova de tudo,
Com toda esta carga de invisíveis, agindo em nós... Ágeis!
  
A vida... Tão frágil, o amor, tão grácil, efêmero, diáfano e eterno,
Como o invisível sentimento de existir, de ser feliz, de amar.
E assim, perdidos neste tempo, que invisivelmente passa,
Iludimo-nos, que ainda haverá outro agora, para sermos felizes!