quarta-feira, 24 de outubro de 2012

NO DELEITE DO PÓS

No deleite do pós

Quando tu choras comigo,
ambos infestados de amor,
naqueles momentos sublimes
em que nossas almas se encontram.
Sabemos de fato o que é felicidades!

Por que não há em nós
uma mecânica quântica,
uma soma ou divisão de sentimentos
premeditados, não há, um mecanismo
puramente humano emanado.

Quando choramos, espontâneos,
lágrimas de risos, traduzindo nossas estases,
materializando deleites em gargalhadas
molhadas, e meus dedos em teu umbigo brincam
como lábios em bordas de cálices... Sou embebedado!

É um “pós” diáfano, que juraríamos eternidade,
mas, não é humano, e por isso não se atem
às nossas vontades, haveremos de esperar
um novo dia, que será único...
E repleto de verdades.

Misturam-se as dores do gozo -
 - as minhas e as tuas -, numa lânguida
e enternecida perda de chão, sem praças ou ruas,
camas, cobertores, tetos, imensidão!
 ... Um parto de ternuras e sabores que se arranca dos ventres...

ZéReys - poeta do profundo.

10 comentários:

  1. No gozo deste parto, nasce este lindo poema único
    E repleto de verdades.
    Parabéns poeta amigo.
    Amo te ler!!
    Bjns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, por me emprestar esta sensibilidade, e sentir comigo, esta expressão do belo!

      Excluir
  2. Boa noite, Zé. O seu poema fala de uma liberdade vivida num amor imenso, onde há cumplicidade, felicidade e tropeços também.
    A humanidade permite os tropeços, mas quando amamos, o que é de nós permanece intrinsecamente e a vida se faz num belo e grandioso colorido, ainda que ocorram tempestades.
    O amor vive e vence, isso é o importante, sem fórmulas, sim respeito e alma!
    Parabéns!
    Beijos na alma e paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, amiga, pelo carinho da leitura, e por tua compreensão distinta!
      Abraço do poeta!

      Excluir
  3. muito obrigado, amiga Patricia, seu parecer faz jus a uma pessoa de luz, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. ".. Um parto de ternuras e sabores que se arranca dos ventres..." Que lindo Zé...suas poesias sempre vem com versos carregados de sensibilidade, ternura...este poema é de uma sensualidade pura...Grata por tanta beleza e criatividade...nem tenho muito a falar....só ler e sentir....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, pela leitura!
      Grande abraço, amigo!

      Excluir
  5. "Um parto de ternuras e sabores que se arranca dos ventres..." Bravo, poeta!!! Uma belíssimo poema! Meus parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, pela leitura grande Marcel!
      Abraço!

      Excluir
  6. O que dizer do Amor: Imperfeito, Inexplicável , Algo Profundo e Intenso, Sentimento único de Felicidade... peço a permissão para fazer minhas suas palavras " Um parto de ternuras e sabores que se arranca dos ventres"...Você foi perfeito Amigo Poeta !

    ResponderExcluir

A fé de uma pessoa está relacionada com aquilo que ela mais precisa, pois em caso contrário, ela não precisaria de nada.

ZéReys.